LIFE DUNAS – PORTO SANTO

As regiões insulares possuem uma elevada vulnerabilidade às alterações climáticas, estando o Porto Santo sob alto risco, sendo necessário uma intervenção urgente na praia. A previsão é que com o agravamento das alterações climáticas, a partir de este ano e até o final do século, o nível médio do mar poderá subir 9mm por ano, sendo o cordão dunar importante na proteção das pessoas e bens.

As dunas de areia do Porto Santo são um ecossistema único no Arquipélago da Madeira, a sua singularidade resulta de várias origens geológicas tendo a praia uma elevada importância no contexto ambiental, sociocultural e económico.

Duração: 5 anos (01/10/2020 – 30/09/2025)

Coordenador: Secretaria Regional de Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas

Parceiros:

  • Município do Porto Santo
  • Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa
  • Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, IP-RAM
  • Secretaria Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural
  • Vice-Presidência do Governo Regional / Gabinete do Vice-Presidente no Porto Santo

Objetivos:

    • Aumentar a resiliência do ecossistema dunar do Porto Santo;
    • Reconstrução do cordão dunar perturbado no sítio da Ponta/Calheta;
    • Restauro do ecossistema dunar através da plantação de espécies nativas e do controlo das espécies exóticas invasoras;
    • Consolidação da zona posterior das dunas através da dinamização da viticultura tradicional e da recuperação dos típicos muros de “crochet”;
    • Instalação de um passadiço e envolvimento da comunidade lPrevenir impactos de pisoteio com a instalação de um passadiço;
    • Aumentar a consciencialização sobre a importância da preservação dos ecossistemas costeiros através do envolvimento da comunidade local;
    • Replicação e transferência dos resultados do Projeto;

O projeto:

O projeto LIFE DUNAS – Porto Santo visa proteger o litoral sul da ilha, de eventos climáticos extremos (especialmente tempestades e subida do nível do mar), através do restauro geomorfológico com recurso a dragagem de inertes, bem como, a partir de áreas de empréstimo/extração, que já não integram a regular dinâmica costeira de areias, com vista a aumentar a resiliência dos ecossistemas dunares e praia.

Este projeto recorre a soluções demonstrativas de engenharia natural, restauro de habitats e restabelecimento de atividades agrícolas em zona pré-dunar que deverão potenciar a sustentabilidade dos trabalhos e assim proporcionar bases para idênticos trabalhos noutras zonas degradadas.

Responsabilidades dos parceiros:

  • Secretaria Regional de Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas através da Direção Regional do Ambiente e Alterações Climáticas: Coordenação geral do projeto;
  • Secretaria Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural: Dinamização da viticultura tradicional a tardoz da duna, bem como a recuperação dos típicos muros de “crochet”, contribuindo para melhorar a resiliência, tendo um forte impacte positivo na qualidade paisagística local;
  • Instituto de Florestas e Conservação da Natureza, IP-RAM: Restauro do ecossistema dunar, baseado no controle de espécies exóticas invasoras, sendo esta uma das principais ameaças à biodiversidade; Instalação de um coberto vegetal na zona reconstituída e áreas adjacentes;
  • Vice-Presidência do Governo Regional/Gabinete do Vice-Presidente no Porto Santo: Prevenção do impacto que a pressão humana poderá ter nas áreas restauradas e para o efeito pretende-se a criação de um passadiço sobre-elevado de forma a reduzir significativamente a pressão exercida;
  • Município do Porto Santo: Trabalhos de envolvimento da comunidade local, turistas e empresas, no âmbito da sensibilização/educação ambiental e voluntariado.
  • Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa: Restauro geomorfológico da área de cordão dunar degradado; Assegurará uma monitorização técnico-científica ao longo de todo o projeto.