O Lixo Marinho:

A presença de lixo nos oceanos é um problema global e são já conhecidos os vários impactes do lixo na vida marinha. As aves são o grupo mais afetado, estimando-se que 1 milhão morra por ingerir plástico ou por ficar aprisionado em redes de pesca. Os mamíferos são também muito afetados, estimando-se que cerca de 100 mil mamíferos morra todos os anos devido ao plástico.

Se por um lado a caraterização básica do lixo marinho no Arquipélago da Madeira é ainda amplamente desconhecida, por outro verifica-se que este é já um problema identificado, designadamente pela presença de microplásticos em todos os ecossistemas marinhos e costeiros do planeta, incluindo a ilha do Porto Santo.

O projeto:

O projeto PORTO SANTO SEM LIXO MARINHO conta com um cofinanciamento atribuído pelo Programa Ambiente dos EEA Grants e tem como objetivo contribuir para a proteção do meio marinho da ilha, através de esforços conjuntos realizados pelos principais intervenientes públicos e privados na eliminação de resíduos de plástico da natureza e na circularidade da sua utilização.

No passado dia 19 de setembro decorreu no terreno a primeira iniciativa deste projeto que assinalou o Dia Internacional de Limpeza Costeira envolvendo a comunidade local numa ação de limpeza que contou com cerca de 30 voluntários e recolheu mais de 350 kg de lixo de zonas costeiras e outras zonas que contribuem para a acumulação de lixo marinho como ribeiras.

Duração: 18 meses (01/09/2020 – 28/02/2022)

Promotor: Associação Natureza Portugal

Parceiros:

  • AIDGLOBAL- Ação e Integração para o Desenvolvimento Global
  • ARDITI – Agência Regional para o Desenvolvimento da Investigação, Tecnologia e Inovação – Associação
  • Município do Porto Santo
  • Águas e Resíduos da Madeira, S.A.

Objetivos:

  • Identificar o fluxo e descarga de resíduos;
  • Otimizar a gestão dos resíduos;
  • Reduzir radicalmente o consumo de descartáveis.

Fases:

Fase 1: Recolha dos dados base (referencial) sobre os resíduos e lixo marinho e identificação de zonas críticas (hotspots);

Fase 2: Otimização da gestão dos resíduos através da mobilização de todos os agentes para um plano de gestão comunitário (publico, privado, com definição de medidas e metas);

Fase 3: Campanha de comunicação e sensibilização para reduzir o consumo de plástico descartável e os resíduos de plástico que acabam no mar.

Impactos esperados:

Fase 1:

  • Mapa da atual situação e locais de maior concentração de lixo plástico, no Porto Santo.
  • Dados comparativos e evolutivos em relação ao impacto gerados pelas medidas implementadas no âmbito do projeto.

Fase 2:

  • Uso da aplicação web para identificar locais críticos de poluição por plástico.
  • Uso do sistema de entrega voluntária de garrafas e latas.
  • Criação de Plano de Gestão Comunitário 2021/2025.
  • Sessão de apresentação do Plano de Gestão Comunitário.
  • Apresentação da carta de compromisso.

Fase 3:

  • Criação e uso do Selo “Plastic Free Island Porto Santo” (+ 40 entidades envolvidas).
  • Reforço e alargamento da iniciativa “Amigos do Mar” (+300 voluntários envolvidos).
  • Recolha de resíduos por pescadores locais, operadores turísticos e empresários (+ 750 kg de plástico retirado da natureza).
  • Campanha de comunicação “Acabar com o plástico no mar do Porto Santo” (Reach de 5.000 pessoas).

Links
Apresentação: https://www.eeagrants.gov.pt/media/3076/porto-santo-portugues-min.pdf
Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=RV8RjNRow2c&feature=youtu.be